Davi queixa-se da malícia dos seus inimigos, persevera em oração e lança a sua carga sobre o Senhor

1 Poesia de Davi. Ao regente do coro-para instrumentos de cordas. Ouve a minha oração, ó Deus! Não deixes de atender o meu pedido.

2 Escuta-me e responde. As minhas aflições me deixam desgastado.

3 Eu tremo quando ouço as ameaças dos meus inimigos; a perseguição dos maus me esmaga. Eles fazem com que desgraças caiam sobre mim; estão com raiva de mim e me odeiam.

4 O meu coração está cheio de medo, e o pavor da morte cai sobre mim.

5 Sinto um medo terrível e estou tremendo; o pavor tomou conta de mim.

6 Ah! Se eu tivesse asas como a pomba, voaria para um lugar de descanso!

7 Fugiria para bem longe e moraria no deserto.

8 Bem depressa procuraria achar um lugar seguro para me esconder da ventania e da tempestade.

9 Ó Senhor, atrapalha e destrói os conchavos dos meus inimigos, pois vejo violência e pancadaria na cidade!

10 Dia e noite, eles andam em volta dela, nas muralhas, enchendo-a de crimes e de maldade.

11 Por toda parte há destruição, e as ruas estão cheias de exploração e desonestidade.

12 Não era um inimigo que estava zombando de mim; se fosse, eu poderia suportar; nem era um adversário que me tratava com desprezo, pois eu poderia me esconder dele.

13 Porém foi você mesmo, meu companheiro, meu colega e amigo íntimo!

14 Conversávamos com toda a liberdade e íamos juntos adorar com o povo no Templo.

15 Que a morte venha de repente sobre os meus inimigos! Que eles desçam vivos para o mundo dos mortos, pois a maldade está na casa e no coração deles!

16 Mas eu chamo a Deus, o SENHOR, pedindo ajuda, e ele me salva.

17 De manhã, ao meio-dia e de noite, eu choro e me queixo, e ele me ouve.

18 Ele me traz são e salvo de volta das batalhas em que luto contra os meus muitos inimigos.

19 O Deus que reina desde a eternidade me ouve e os derrota. Pois eles não querem mudar de vida e não temem a Deus.

20 O meu antigo companheiro atacou os seus próprios amigos e quebrou as promessas que havia feito a eles.

21 As palavras dele eram mais macias do que a manteiga, mas no seu coração havia ódio. As palavras dele eram mais suaves do que o azeite, mas cortavam como espadas afiadas.

22 Entregue os seus problemas ao SENHOR, e ele o ajudará; ele nunca deixa que fracasse a pessoa que lhe obedece.

23 Mas, quanto àqueles assassinos e traidores, tu, ó Deus, os jogarás no fundo do mundo dos mortos; eles não chegarão até a metade da sua vida. Eu, porém, confiarei em ti.

Compartilhar